Pages

30 de abril de 2014

TAG #4: Casar, beijar ou penhasco. Com participações especiais!


Nesse fim de semana as vantagens tecnológicas me permitiu reunir com alguns blogueiros parceiros para realizar uma brincadeira! Adriano do GeraçãoLeitura.com, Andrea do Own Mine e eu respondemos à TAG Marry, Kiss or Cliff (Casar, Beijarar ou Penhasco) em uma mini vídeo conferência. Haha.

Foi bem divertido, meio que uma mistura de Jogos Vorazes e A Seleção. [risos] Com direito a surpresas e disputas. Confiram no vídeo abaixo. Caso tenham gostado compartilhem o vídeo, cliquem em gostei (joinha)... essas coisas, sabe? E claro não deixem de comentar o que acharam e o que teriam ou não feito.


29 de abril de 2014

Li até a página 100 #4: Quantic Love - Sonia Fernández-Vidal


Mais uma prévia do que estou achando da minha leitura atual! Estou trazendo uma nova coluna para vocês e vou postá-la toda terça ou quinta-feira.


Li até a página 100 foi criado pelo blog Eu leio, Eu conto. Nesta TAG devemos responder às perguntas levando em conta apenas as primeiras 100 páginas do livro que estamos lendo no momento.


Quantic Love - Sonia Fernández-Vidal


1- Primeira frase da página 100:

"De trás do balcão, vi que Angie fazia um sinal com a mão para que ele se aproximasse."

2- Do que se trata o livro?

Laila é uma jovem que mora em Sevilha (Espanha) e durante o verão consegue um emprego como garçonete no CERN - o centro de pesquisas mais avançado do mundo - com o objetivo de juntar dinheiro para ajudar os pais a pagarem seu primeiro ano na faculdade. Apesar do que pode parecer, o verão se torna agitado graças à sua peculiar colega de quarto, Angelina, que incentiva Laila a tornar todo o sacrificado período em um momento para conhecer pessoas e fazer descobertas.

3- O que está achando até agora?

Estou adorando, uma leitura fácil e descontraída, permeada de diálogos interessantes e curiosidades científicas. É bastante jovial e os personagens têm marcas pessoais, o que é bem legal. É legal estar em um ambiente diferente da América do Norte, conhecer esses cenários. Além disso os personagens são de várias nacionalidades diferentes, o que é bem legal!

4- O que está achando dos protagonistas?

Eu tive certa empatia com a Laila, eu me identifico nela. Uma garota meio na dela, gosta de ouvir histórias e gosta de ciência, fica meio atrapalhada em situações novas, acha que é ofuscada pela amiga e "tudo bem" com isso, tem bons amigos, é apegada à família. Muitos aspectos na história e na personalidade dela lembram a mim mesma. Ela também é um pouco dramática às vezes e não muito auto-confiante, eu admito que sou assim às vezes. Acho que é a primeira protagonista que, até agora, acho que tem tanto em comum comigo. Não podia deixar de gostar dela ao menos um pouquinho. Eu tenho amor próprio sabe. [risos]

5- Melhor quote até agora:

Eu bem que podia selecionar uma das curiosidades científicas/culturais bem legais que tem no livro, mas eu vou ficar com esta:

"— Não sou desses. Sou paquerado. O profissional disso é meu amigo Enzo. Tem uma técnica muito elaborada: quando entra em uma discoteca, pede um gim-tônica e escolhe uma vítima entre as garotas. Vai direto a ela e tira um cubinho de gelo de seu coquetel. Atira-o no chão, pisoteia-o e diz: “Boa noite. Agora que quebramos o
gelo, já podemos ficar, o que acha?”
— Patético… E funciona?
— Nunca, pelo que eu vi. É a pior tática que conheço."

6- Vai continuar lendo: 

100% SIM!

7- Última frase da página:

"Eu o incomodara."

27 de abril de 2014

Promoção #3: Aniversário do GeraçãoLeitura.com! \o/

Oi gente! Aqui estamos com mais uma promoção e essa para mim é bem especial. O nosso parceiro GeraçãoLeitura.com está fazendo um aninho! Como eu acompanho o blog desde que o Adriano o criou, não poderia ficar de fora dessa festa. Vamos saber como tudo funciona, então? Mas antes, confiram o declaração de "papai babão" do Adriano. Compreensível é claro, eu também fico orgulhosa da qualidade e do crescimento desse parceiro!

"Há mais ou menos um ano atrás nasceu uma pulguinha atrás da minha orelha que me instigava a deixar de preguiça e criar o blog! Algo dentro de mim inquietava-se e me lançou rumo ao desconhecido! Joguei-me nesse mar, chamado blogosfera, sem saber nadar; e quase morri afogado, se não fosse as mãos amigas que sempre me ampararam, a Lizi e a Dih *-*

Com a coragem utópica de um sonhador e dando a cara para bater acatei a ideia daquela voz que soava em meu interior e assim nasceu o GeraçãoLeitura.com!
O dia do aniversário está se aproximando e com isso, vem a necessidade de celebrar! Como cantam aqui na Bahia:
"Celebrar! Como se amanhã o mundo fosse acabar,
Tanta coisa boa a vida tem pra te dar! O pensamento leve faz a gente mudar!"
Aniversário é a data de festejar! E, comemorar o primeiro aninho de um filho é uma obrigação! Pensando nisso, eu (o pai do GeraçãoLeitura.com) me juntei a outros 23 blogueiros mega talentosos para proporcionar uma promoção digna de festa!" 


26 de abril de 2014

Desafio 52 - Semana #17: Personagens cuja vida eu gostaria de viver por um dia.


Mais um fim de semana, mais uma etapa do Desafio 52 a ser cumprida. Permitam-me desabafar, eu passei um aperto danado pensando em o que eu responderia para o tema dessa semana: Personagens cuja vida eu gostaria de viver por um dia. Sério, são muitos personagens que eu admiro, mas eles não costumam ter uma vida muito... fácil. [risos] É que eles passam por certas situações que eu não consigo imaginar eu mesma superando, geralmente, é por isso que eles me inspiram, pela coragem, pela resistência, pela resiliência. Então, eu pensei naqueles que eu sobreviveria vivendo um dia como eles.

Dra. Christina Yang (Grey's Anatomy): A melhor residente do Hospital Seatle Grace. Primeiro porque espero realmente desejo um dia viver e amar aquela rotina, depois porque cristina é uma excelente profissional e tem um desenvolvimento incrível como ser humano. Além disso, A Pessoa dela é a Meredith. Mas como eu não seria, tecnicamente, a Dra. Yang, na verdade, viveria a vida dela, o que importa é o potencial de Christina que tantas pessoas admiram, o convívio com os amigos e colegas, a adrenalina do trabalho e, claro, o romance com o Owen. :3 Sinceramente, acho que colocaria a Dra. Yang em apuros! [risos]

"Oh, dane-se a beleza, eu sou brilhante!
Você quer me satisfazer, elogie o meu cérebro!" <3
Hermione Granger (Harry Potter): A genial, espirituosa e adorável Mione! Não conheço-a tão bem quanto gostaria, mas conhecerei em breve, quando ler os livros. Mas me diga quem não iria querer passar um dia em Hogwarts, na companhia de Harry e Rony, fazendo visitas ao Hagrid e ainda tendo um vira-tempo?! Tipo, eu poderia voltar só quando quisesse, independente das 24 horas. \o/ Além disso, se eu pudesse ter um pouquinho do talento e inteligência de Hermione como lembrança já ficaria imensamente satisfeita! Se essa fosse a única forma de visitar Hogwarts, não poderia escolher alguém melhor se não a bruxa mais brilhante da sua idade. ;)


25 de abril de 2014

TAG #3: Dez livros que me marcaram.

Dez Livros Que Me Marcaram

Essa não é exatamente uma TAG, há alguns meses houve uma brincadeira no facebook que consistia em fazer uma lista com 10 livros de ficção ou não ficção que tenham me marcado. Eu havia planejado falar um pouco mais da minha história com esses livros, os quais eu recomendo muitíssimo, o plano era ter feito isso no Dia Mundial do Livro (23/04) mas eu me embananei toda e não consegui fazê-lo. Mas como eles merecem esse destaque, vamos falar deles hoje! A ideia da brincadeira era não gastar muito tempo, nem pensar muito, mas quando se tratou de fazer aquelas escolhas, isso foi impossível. Bom, eu queria aqui não só citá-los mas dizer sua importância. Vamos a eles:

1- O Pequeno Príncipe - Antoine Saint-Exupéry
É o primeiro livro que lembro de ler com a minha mãe, reservando uma hora de cada dia para apreciar suas páginas. Lembro de como ela fez a brincadeira do "chapéu" comigo, no início da leitura. Além dessas lembranças, o principezinho me ensinou várias pequenas lições. Como enfrentar os baobás, como cuidar de casa, como enxergar as rosas, como cativar as raposas... Há sempre algo para se aprender com ele.

2- A Menina que Roubava Livros - Markus Zusak
Foi um susto o dia que ganhei meu exemplar. Pela primeira vez leria um livro com mais de 150 páginas e o fato dele ser narrado pela morte me assombrou, de verdade, na flor dos meus 12 anos. Chorei. Nunca leria um livro de terror (?!). Foi mais ou menos isso que eu disse. Como minha mãe "ameaçou" devolver todos os livros que eu havia ganho (era meu aniversário) voltei atrás e arrisquei dizer que o leria sim. Quase um ano depois, numa aula sobre o nazismo, meu professor de história, de quem eu era fã, citou e recomendou o livro. Foi o suficiente para eu me aventurar. Hoje me pergunto de onde tirei tanta tolice. Aquela narradora cheia de ponderações e revelações me aterrorizou e me comoveu e ao final eu compreendi que livros poderiam, literalmente, salvar a sua vida. Ou quase isso. Mas você precisa amar as palavras.



3- A Culpa é das Estrelas - John Green
Tudo começou com frases esporádicas no Tumblr. "Meus pensamentos são estrelas que não posso arrumar em constelações", "Esse é o problema da dor, ela precisa ser sentida" e, claro, o enigmático "Okay". Então uma amiga que faz mágica com as palavras, recomendou-o a mim (Mai!!!). O título de John Green estava crescendo exponencialmente, assim como minha curiosidade. Não resiste, li e-book mesmo. E fui cativada pela rebeldia e existencialismo de Hazel, pelo hedonismo e conotatividade de Gus. É uma história que faz com você algo difícil de se explicar, mas na sua cabeça e no seu coração faz todo o sentido. Não consegui terminá-lo no e-book, eu precisava daquelas palavras para mim, em tinta e papel. Acabei lendo tudo de novo até chegar no ponto de parada e senti aquela coisa se intensificar em mim. Ah! Eu nunca consigo ser objetiva, quando falo desse livro. <3


4- Trilogia Jogos Vorazes - Suzanne Collins
A descoberta do meu gênero favorito. Há quem ache a história de Katniss confusa, tumultuada, nada legal. E é tudo isso mesmo, THG é uma alegoria atual bastante corajosa sobre nossa história. Miséria, exploração, manipulação, perdas, guerras... Tem bastante psicologia e filsofia envolvida ali. Diria até que não basta ler os livros, é preciso conhecer os bastidores, as orientações de Suzanne Collins. Eu me apaixonei por essa trilogia, e reconheço que ela não é perfeita, mas eu busquei conhecê-la de todas as formas que pude e ela me mudou. Mudou mesmo.


24 de abril de 2014

Resenha #10: Divergente - Veronica Roth (Trilogia Divergente Vol. 1)


Eu finalmente li Divergente! Finalizei a leitura uma semana antes de o filme estrear, mas não consegui resenhá-lo antes. Precisei processar a história para não fazer bobagem. Mais um passo da Meta 2014 cumprido! Então, vamos ao ponto.



Título/Título original: Divergente / Divergent
Autor: Veronica Roth
Editora: Rocco Jovens Leitores
Ano de lançamento: 2012
Status: Livro em série
#1 Divergente
#2 Insurgente
#3 Convergente
Páginas: 502
Skoob/Goodreads: Link1 / Link2
Onde encontrar: Saraiva, Submarino, Americanas



Em Divergente temos uma versão futurística da cidade de Chicago, a sociedade se divide em 5 facções dedicadas a defesa de uma virtude - a Abnegação (aultruísmo), a Franqueza (honestidade), a Amizade (bondade), a Audácia (coragem) e a Erudição (inteligência). Aos 16 anos, após realizar um teste de aptidão, os jovens participam de uma grande cerimônia de iniciação onde devem escolher um grupo para se unir pelo resto de suas vidas. É uma escolha séria, o lema é: A facção antes do sangue.

“Os costumes das facções ditam até como devemos nos comportar nos momentos de inatividade e estão acima das preferências individuais.

Para Beatrice Prior, a difícil decisão é entre ficar com sua família e ser quem ela realmente é - não pode ter os dois. Então, faz uma escolha que surpreende a todos, inclusive a ela mesma. Durante a iniciação altamente competitiva que se segue, Beatrice muda seu nome para Tris e se esforça para decidir quem são realmente seus amigos. O mais complicado é que Tris tem um segredo que poderia significar sua morte.

“Qualquer erro, por menor que seja, ou qualquer segundo de hesitação, e minha vida já era.”

O cenário futurístico com uma sociedade sob o comando de um governo extremista em algum(ns) aspecto(s) é o primeiro ingrediente distópico do enredo de Divergente. Superficialmente, parece ser uma excelente estratégia, agrupar pessoas em defesa de valores e com trabalhos sociais compatíveis, mas esse é o mal mascarado dessa sociedade. Conforme a narrativa se desenvolve, percebemos como a categorização das pessoas pode ser ruim: uma facção debochando do estilo de vida da outra, uma facção acusando a outra de corrupção de seus valores, uma facção tão obstinada por seu valor que o destorce.

“- Eu não me importo com as facções. - Ela balança a cabeça. - Olhe onde elas nos levaram. Os seres humanos, de um modo geral, não podem ser bons por muito tempo antes do mal rastejar de volta e envenenar-nos outra vez.”
Essa é apenas uma das perspectivas que Veronica Roth constrói gradativamente em Divergente. Sendo o primeiro livro da trilogia ele é bastante introdutório, mas felizmente essas explicações vêm bem mescladas aos acontecimentos de forma que o livro não é monótono. Apenas os cinco primeiros capítulos são mais devagar, obviamente antes de Tris fazer sua escolha.

23 de abril de 2014

Divulgação #2: Novidade na Editora Charme! Tudo o que eu preciso - Kimberly Knight

Hoje o dia começa com novidade da Editora Charme! Conheçam Tudo o que eu preciso, primeiro livro da série B&S, da autora  Kimberly Knight. Inicialmente a história era um trilogia, mas devido à paixão dos fãs internacionais, a autora está escrevendo mais três livros sob o ponto de vista de Brandon Montgomery, personagem principal do livro. O lançamento de Tudo o que eu preciso está previsto para Agosto desse ano!


22 de abril de 2014

Filme #2: O que penso de Tinkerbell: Fadas e Piratas


Eu sou uma criatura que nunca vai se cansar de assistir filmes da Disney, ainda mais se for relacionado à Tinkerbell. Eu não me dei muito bem com ela na infância, ela me pareceu chata, ciumenta e estressada em Peter Pan, na verdade, como eu já disse, eu não gosto da adaptação de Peter Pan da Disney. Comecei a me simpatizar mais com a Tinkerbell depois, quando começaram as histórias de Pixie Halow. No entanto isso não vem ao caso. Hoje eu vou falar do mais recente filme da Tinkerbell!


Tinkerbell: Fadas e Piratas, lançamento de fevereiro de 2014, foi um filme bonitinho, com bom investimento na arte e um plot bastante promissor. Entretanto, para mim, não é o melhor filme das Fadas Disney produzidos até agora e isso foi um pouco decepcionante, porque esse é o quinto longa na sequência e eles estavam seguindo uma curva ascendente de melhoramento, grandiosidade e envolvimento, e Fadas e Piratas não cumpriu minhas expectativas, acho que o plot ficou um pouco perdido e confuso.

O filme, como mostra o trailer, conta a história de Tinkerbell e suas amigas parar salvar o Pozinho Azul que é como um fermento para o Pozinho das Fadas, o qual elas precisam para voar. Existe uma quantidade muito pequena do Pozinho Azul e ele foi roubado por uma fada, Zarina, para ajudar um grupo nada "simpático". Zarina era uma fada Guardian do Pozinho de Fada, assim como Terence, mas Zarina é curiosa, ela utilizava todo o seu suprimento para fazer experimentos. Experimentos perigosos, que acabaram em um baita desastre. Então, Zarina fugiu.


O que podemos perceber são similaridades entre Tink e Zarina. Esta é incompreendida em seus desejos e curiosidades assim como a talentosa fadinha artesã foi por bastante tempo. Mas ao contrário de Tink que teve dificuldade de aceitar seu talento, Zarina acredita que o seu talento é potencialmente maior do que as outras fadas veem. Então ela encontra quem acredite em seu talento, uma tripulação de pessoas. Piratas na verdade. E é para eles que Zarina rouba o Pozinho Azul e isso acontece durante um grande evento de Pixie Hallow. Zarina põe quase todos para dormir fazendo com que papoulas surjam do nada. Como ela faz isso se não é uma fada jardineira? Bom, eu já disse, Zarina encontrou quem acreditava no seu talento e que permitiu que ela experimentasse... E conseguisse resultados.

21 de abril de 2014

Interesses Literários #2


Oi pessoal! Como foi a Páscoa? Família reunida, muitos agradecimentos, confraternizações, almoços, peixe e chocolate? Espero que sim! Mantenham o Espirito Pascal forte em vocês durante todo o ano. ;)

Okay, a postagem de hoje não é para falar da Páscoa, de toda forma, isso foi só... Uma socialização. Haha. Até porque hoje é Segunda-feira e nós começamos a semana com... Interesses Literários! Hoje, eu vou apresentar para vocês 5 histórias que eu quero conhecer, 5 vidas que planejo desfrutar algum dia. A seleção da vez é da Editora Rocco.

Advertência: o conteúdo a seguir pode causar reações de surpresa, lamentação ou frustração. De qualquer forma, digam o que pensarem, eu quero ouvir ler.


1- A Catastrófica História de Nós Dois - Jess Rothenberg

SINOPSE: Pouco antes de completar 16 anos, Brie Eagan morre, literalmente, depois de ouvir do namorado que ele não a ama mais. E acaba descobrindo que o amor é ainda mais complicado do que ela poderia imaginar em vida. Com a ajuda de Patrick, uma alma perdida residente, Brie precisa passar pelos cinco estágios do luto até restaurar sua fé no amor e estar pronta para encarar a vida após a morte.


COMENTÁRIO: A primeira coisa que chamou minha atenção nesse livro foi a capa claro, depois a sinopse. Na verdade até pensei no início que pudesse ser algum livro com tendência religiosa, mas pelas resenhas que já li, fossem elas considerando-o bons ou ruins, ficou claro que não é essa a proposta da história. Minha expectativa é um romance reflexivo, com passagens engraçadas e também tristes. Há muito tempo que sou curiosa por ele, mas ele é bem carinho e nunca o encontrei em uma promoção... Mas na primeira chance eu tento adquiri-lo.



2 - Todas As Coisas Que Eu Já Fiz - Gabrielle Zevin

SINOPSE: Nova York não é um lugar bacana no ano de 2083. Chocolate e café são ilegais, a água é cara e os banhos não podem ultrapassar 90 segundos, a comida é racionada, ninguém tem permissão para ter celulares, e-mails são pagos e todos os menores de 18 anos têm de obedecer a um rígido toque de recolher.
Anya é filha de Leonyd Balanchine, um dos grandes chefões do crime organizado, cabeça da Balanchine Chocolate, responsável pela distribuição ilegal de chocolate e outras coisas mais, como tráfico de armas e operações pouco nobres no mercado negro.
Leonyd morreu anos atrás, mas até hoje sua influência é sentida pela jovem, que apesar de querer distância dos negócios da família constantemente se vê recorrendo aos ensinamentos do pai para lidar com as situações que tem que enfrentar. E a vida de Anya não é fácil.
Aos 16 anos, é ela quem cuida da avó, presa a uma cama, alimentada por tubos e definhando lentamente; do irmão, Leo, um doce rapaz de 19 anos com mentalidade de 8 desde que viu a mãe ser assassinada na sua frente; e da irmã Natty, 12 anos e verdadeiro prodígio da matemática. Entre as obrigações em casa e as tarefas da escola, Anya não tem muito tempo para se meter em encrencas sérias.
Mas tudo muda quando ela é acusada de envenenar com uma barra de chocolate seu ex-namorado, Gable Arsley. Sem nunca perder a cabeça e determinada a provar sua inocência, Anya começa a descobrir que por mais que tente é difícil fugir de sua herança: os Balanchine estão por trás de seus problemas com a lei, e ela se vê presa aos intricados negócios de seus tios e primos, gente que até gosta dela, mas que fará quase tudo para se dar bem e conseguir o que deseja.

COMENTÁRIO: Primeiro livro de uma trilogia com grande tendência distópica, uma palavras define esse livro para mim: curiosidade. O que aconteceu para Nova York ser assim em 2083? POR QUE o chocolate é ilegal??? Será que o problema da Anya é a herança ou tem mais alguma coisa aí? Vi muitas reações positivas ao livro e as quotes me deixaram com a impressão de ser um livro gostoso de ler. Pena ser uma série, vocês já sabem né, tenho algumas pendências a resolver, mas está no topo da lista.



3- O Mistério da Estrela – Neil Gaiman

SINOPSE: O jovem Tristan Thorn fará tudo para conquistar o coração frio da bela Victoria - até mesmo trazer a estrela que eles veem cair no céu. Mas para isso, ele deve entrar nas terras inexploradas do outro lado da velha barreira que cerca seu pequeno vilarejo. E além da segurança de Muralha, coisas estranhas podem acontecer a um rapaz determinado perseguindo o Desejo de seu Coração em um mundo mágico de maravilhas e perigos - onde tudo que pode ser imaginado pode ser encontrado.

COMENTÁRIO: Provavelmente vocês já ouviram falar do filme, mas quem já leu diz que há diferenças consideráveis entre as obras. Sim, a primeira razão por eu me interessar por esse livro foi o filme, mas, mesmo sabendo das divergências, eu quero muito lê-lo. É uma fantasia, tem aventura e parece ser muito fofo. Além disso, Neil Gaiman tem fama de ser bom em narrações fantásticas e criatividade.




4- Se Eu Ficar - Gayle Forman

SINOPSE: Aos 17 anos, a musicista Mia é uma adolescente como tantas outras. Tem pais amorosos, uma melhor amiga e um namorado apaixonado. Sua vida, no entanto, não é livre de escolhas dolorosas, como decidir se permanece fiel ao seu primeiro amor – a música –, mesmo que isto signifique perder seu namorado e deixar todos os que ama para trás. 
Em uma manhã de fevereiro, Mia sai para um passeio com a família e, em um instante, tudo muda. A última coisa que lembra é estar no carro com seus pais e seu irmão mais novo, Teddy, em uma estrada repleta de neve. De repente, está em pé fora do seu corpo, ao lado dos cadáveres de seu pai e sua mãe, observando ela e o irmão serem atendidos pelos paramédicos.
Enquanto tenta entender se está morta ou não, Mia é levada para um hospital, onde, com seu corpo em estado de coma, reflete sobre seu passado e tenta decidir se vale a pena lutar pela vida. Por meio dos flashbacks e dos pensamentos de Mia, o texto explora a vida da adolescente, sua paixão pela música clássica e sua forte relação com a família, com o namorado, Adam, e com a melhor amiga, Kim.

COMENTÁRIO: A primeira vez que ouvi falar de Se Eu Ficar foi em um canal gringo e era uma resenha bastante positiva, até me interessei pelo livro, mas achei que ainda não houvesse sido publicado aqui. No entanto, semana passada eu me deparei com o trailer da adaptação de If I Stay. O que? O livro já tem adaptação e não lançaram aqui ainda? Fui pesquisar e aqui estava ele, pela Rocco. Quero ler esse livro, de preferência antes de chegar perto do filme, acho que vou chorar... Tudo bem.

5- Harry Potter e a Pedra Filosofal - J. K. Rowling

SINOPSE: Harry Potter é um garoto comum que vive num armário debaixo da escada da casa de seus tios. Sua vida muda quando ele é resgatado por uma coruja e levado para a Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts. Lá ele descobre tudo sobre a misteriosa morte de seus pais, aprende a jogar quadribol e enfrenta, num duelo, o cruel Voldemort.
Com inteligência e criatividade, J. K. Rowling criou um clássico de nossos tempos. Uma obra que reúne fantasia e suspense num universo original, atraente para crianças, adolescentes e adultos.

COMENTÁRIO: Por que eu tenho a sensação de que muita gente vai me olhar atravessado ou de olhos arregalados agora? Não, eu nunca li HP. Mesmo tendo assistido e ficado empolgada com todos os filmes. No início eu realmente não queria ler, eu tinha amigos que falavam tanto disso que me deixavam impaciente, mas sempre que eu assistia a um filme eu ficava imaginando como seria montar aquele mundo por meio de palavras. Só pra me defender, a culpa não foi inteiramente minha, eu até pedi os livros para meus pais uma ou duas vezes, mas minha mãe não gosta de HP até hoje, então vocês podem imaginar as respostas que eu levei. Também tenho parte na culpa, tinha os dois primeiros volumes na biblioteca da minha escola e eu não os li, nunca achava “tempo”. Então o que me fez mudar de ideia? Saudade. Eu sou uma pessoa nostálgica, e o que eu sinto mais falta é da minha infância. Então eu quero ler HP porque me lembra dos meus amigos, as sessões de cinema em casa... E porque hoje eu penso que eu poderia ter gostado de crescer com Harry. Eu não vou ter a mesma sensação que poderia ter tido naquela época, mas espero construir novas sensações. Eu vou ler Harry Potter. 
P.S.: Isso foi mais um depoimento que um cometário.

19 de abril de 2014

Desafio 52 - Semana #16: Isso, para mim, não é diversão


Final de semana = Desafio 52! Antes de apresentar o TOP do tema dessa semana eu queria fazer uma declaração: quando pensei em participar do Desafio, estava procurando um tipo de postagem regular e interessante para o Blog, mas depois de mais de 10 semanas respondendo aos tópicos eu fico feliz em dizer que, para mim, ele se tornou muito mais que isso. Realmente ele está cumprindo uma da minhas intensões, refletir melhor sobre alguns aspectos, cotidianos e particulares, ser sério, mas também ser divertido. Feliz que ele esteja permitindo me conhecer melhor e também conhecer a vocês, leitores do ATLT!

Vocês merecem uma festa do chá!
Feita tal consideração, vamos ao TOP das coisas que, para mim, não são diversão. Sim, vai ser bem crítico.

Maus tratos: Seja com animais, seja com crianças, seja com idosos, seja com portadores de necessidades especiais, não importa. Não há justificativa humana, racional ou benéfica para se considerar qualquer tipo de mau trato uma diversão. Acho repugnante agredir física ou verbalmente qualquer tipo de ser, pior ainda quando este é indefeso.

Porres: Para ser honesta, sequer concordo com a ideia de que diversão esteja associada ao álcool. Bebida alcoolica é uma droga (substância química e alucinógena), só por ela ser "lícita" não muda o fato de que é maléfica à saúde e não permite que as situações sejam claras. Lembranças para mim são como pedras preciosas, daquelas extremamente raras. É um sacrilégio torná-las incongruentes, borradas por causa de uma "alegeria" barata e falsa. Não há graça nenhuma em se embriagar por "diversão". 

17 de abril de 2014

TAG #2: Como eu leio?


Olá queridos! O ATLT foi indicado pelo nosso blog parceiro We Want Dreaming a responder a TAG “Como eu leio?”. Serão 8 perguntas, vamos lá!

1-Como você descobre sobre novos livros para ler?
Antigamente eu visitava livrarias, depois, quando passei a fazer compras pela internet eu pesquisava nas lojas on-line pelos títulos. Nesse caso eu decidia pelos livros na hora da compra. Mas aí eu comecei a acompanhar blogs literários, seguir editoras nas redes sociais, assistir a canais no Youtube e participar do Skoob... Bom, é impossível não ficar a par das novidades em livros se você faz alguma dessas coisas. O resultado, para mim, é uma lista de interesses quilométrica. :)

2-Como você entrou nesse mundo da leitura?
Através de minha mainha. *-* Ela gosta de ler e me brindou com esse legado. Desde pequena eu gostava de ouvir e contar histórias, então ela me dava livros, trazia livros da biblioteca da escola para mim, lia comigo, pedia a mim que falasse sobre os livros que li para ela. O diretor da minha escola de ensino fundamental também me incentivou bastante, ele sempre me emprestava livros. Então eu conheci a leitura como um lazer, uma forma de socialização, além das atividades escolares.

"Ela lia sobre pessoas que ela jamais poderia ser em aventuras que jamais poderia ter."
3-Como o seu gosto literário mudou com o passar do tempo?
Eu acho que meu gosto literário se tornou mais abrangente, e não que ele tenha mudado. Assim, quando eu era criança gostava de ler clássicos infantis, contos de fadas, aventuras, romances, histórias investigativas, num estilo mais infanto-juvenil. Conforme fui crescendo eu amadureci mais... o estilo da narração, do enredo. Mas continuei gostando dos mesmos tipos de histórias. Mudei de opinião algumas vezes quanto a alguns gêneros que eu achava que seria impossível eu gostar, como thrillers e fantasias/sobrenaturais. Por exemplo, eu li sobre Os Intrumentos Mortais há mais ou menos três anos e pensei que jamais leria, hoje eu sou fascinada pela criação da Cassandra Clare. Mas continuo gostando dos livros que lia antes e continuo cismada em ler alguns gêneros, portanto foi mais uma adaptação do que uma mudança.

4-Com que frequência você compra livros?
Este ano eu tenho resistido a fazer novas compras, mesmo assim, ainda comprei uns 4 livros. Eu nem sempre fui de comprar muitos livros, mas de uns 7 anos para cá eu não conseguia ver uma promoção ou uma livraria que eu precisava comprar livros! Antes eu lia muitos livros emprestados ou pegos em bibliotecas, mas depois de Crepúsculo... ter os livros, principalmente os que eu gostava, tornou-se uma necessidade. Então eu fazia de 4 a 6 compras por ano, com no minimo 3 livros por compra. Resultado: um monte de livros não lidos na estante, por isso estou fazendo "regime literário" esse ano.

"Divertir-se não é difícil, quando se tem uma carteirinha na biblioteca!"
5-Como você entrou nesse mundo dos Canais Literários?
Não tenho certeza, mas foi navegando pela internet. O primeiro blog que visitei, diariamente, foi o Lendo e Comentando e então eu conheci muitos outros, incríveis. Aí eu comecei a acompanhar também pelo Youtube e conheci outros canais. Como eu sempre gostei de conversar e escrever sobre o que eu leio e o que eu gosto, eu quis muito, por muito tempo, ter um blog - até fiz um quando criança, mas era "bobinho". Por causa do ensino médio integral e dos anos de pré-vestibular eu adiei encarar a blogosfera. Até que ano passado eu cansei de postergar e comecei a planejar o ATLT antes mesmo de receber a aprovação no vestibular.

6-Como você reage quando não gosta do final de um livro?
Eu fico frustrada, frustrada mesmo. Ainda mais se a história tiver sido boa e o final destoadamente ruim. Se eu fosse um pouquinho mais agressiva eu lançaria ele contra a parede. Mas o máximo que faço  é tentar trocar o livro, senão eu guardo ele num canto escuro, escondido. Não sou de ficar falando mal sem parar, porque mesmo que eu não tenha gostado alguém pode gostar, mas deixo bem clara minha insatisfação com o desfecho do livro. Ou o livro inteiro, que seja.

Sempre babei por essa biblioteca de "O Segredo do Vale da Lua"
7-Com que frequência você espia a última página do livro pra ver o que acontece no final?
Há muito tempo não faço mais isso. Quando era criança eu olhava, não a última página, mas quantas páginas o livro tinha. Minha mãe me disse que eu nunca devia olhar o final, nem para ver o número de páginas. Eu não cumpria muito a segunda parte do conselho, mas graças a Deus eu sempre respeitei a primeira. [risos]

8 – Quem você vai marcar para responder essa TAG?
Ora, ora, meus parceiros!

É claro, quem mais quiser fazer a TAG, fique a vontade. Aliás, porque você não comenta algo comigo sobre como você lê? Adoraria saber!

Beijos, queridos. Até amanhã!


16 de abril de 2014

Traços e Cores #2: Especial do Dia do Desenhista (Parte 2)


Continuando com o pequeno especial para o Dia do Desenhista, é hora de apresentar um talentoso artista brasileiro. Ele é o simpático escritor e ilustrador: Nanuka Andrade! Conheci-o através de seus livros que chamaram minha atenção pela linda arte da capa, mas infelizmente ainda não tive a oportunidade de ler, porque parecem ser ótimos. O próprio Nanuka fez as ilustrações deles. Além disso, ele trabalha com comics, publicidades e banners para blogs! Confira mais no site.

Arte da capa de "Camundo - O Desenho e a Sombra", primeiro livro de Nanuka Andrade
Arte da capa de "Camundo - O Signo Oculto", segundo livro de Nanuka Andrade
Arte da capa de "O Ladrão de Destinos", terceiro livro de Nanuka Andrade
"Se eu pudesse mudar o passado
 com um desenho, daria um final
feliz para a Anne Frank!"
- Nanuka Andrade no Facebook
"Tentativa" do Nanuka de desenhar a Elsa (Frozen)
segundo palavras dele. Modesto... [risos]







Desenho inspirado no filme "Anna Karenina"

Traços e Cores #2: Especial do Dia do Desenhista (Parte 1)


Combinando duas coisas que eu amo: Desenho e Princesas (Disney) essa é uma postagem de exibição. A Brianna Cherry Garcia é uma das minhas desenhistas favoritas, acompanho ela há anos no DeviantArt e geralmente seus desenhos vão parar nos meus favoritos! Como hoje é Dia do Desenhista, eu gostaria de compartilhar esses desenhos da Brianna com vocês! Quem ama Disney? \o/ 
Aguardem quem hoje tem mais Desenhistas! <3

Ariel (A Pequena Sereia), Elsa (Frozen),
Cinderella (Cinderella), Aurora (A Bela Adormecida), Tiana ( A Princesa e o Sapo)

Mulan (Mulan), Rapunzel (Enrolados), Ariel (A Pequena Sereia),
Merida (Valente), Jasmine (Aladdin), Megara (Hércules)

Bela (A Bela e a Fera), Rapunzel (Enrolados), Tiana (A Princesa e o Sapo)
Anna (Frozen), Elsa (Frozen)

Desafio 52 - Semana #15: O que há de pior no mundo virtual

De volta com Desafio 52! O tema dessa semana é bastante sério, e pensar sobre ele me lembrou os brainstorms que eu costumava fazer quando treinava dissertações para o vestibular. Não sei quando vou me livrar dessas sensações de deja vu com meus anos de vestibular.  Porque esse é um tema recorrente nessa situação há alguns anos. Então, o meu TOP 5 para o que há de pior no mundo virtual ficou assim:


Intolerância: em um ambiente onde todas as vertentes de opiniões estão disponíveis é frequente os choques entre os ideais e os "padrões". O mundo virtual é um lego de culturas e costumes e é péssimo quando as pessoas vão além de discutir alguns aspectos e começam a inferiorizar, desmerecer, denegrir e ofender os que são diferentes da sua perspectiva. Isso acontece com temas simples como qual o seu artista/livro/personagem favorito, bem como com vertentes mais polêmicas como convicções religiosas/partidarismo político/punição criminal. Ofensas e agressividade apenas enfraquecem o processo democrático que o mundo virtual tem a oferecer.

Pornografia: o ambiente virtual tornou-se cada vez mais acessível às pessoas, sem distinção de idade. Com isso os que correm grande risco são os pequeninos. Afinal eles não têm maturidade suficiente para lidar com certos assuntos disponíveis na rede. Imagens, textos, vídeos, jogos com conteúdo sexual explicito é um tipo de violência moral contra o desenvolvimento social e psicológico de crianças. Então essa é uma questão de segurança para com eles, e como não existe um órgão  oficial responsável por averiguar a exposição de crianças a esse tipo assunto, a melhor saída é a orientação e o acompanhamento dos pais e responsáveis. Achei mesmo necessário elencar esse aspecto porque diariamente eu testemunho publicidades e conteúdos desse cunho em ambientes virtuais de fácil acesso e até mesmo destinado à crianças.

Plágio: honestamente, acho que esse é um crime pior até que a pirataria que também é tão comum no mundo virtual. É porque, no caso de plágio, todo o empenho do autor original é completamente violado pelo mal-feitor. A obra é descreditada. Há muito material bom sendo roubado, alterado e degenerado por causa de atividades como essa. É por uma questão legal, moral e de bom convívio social que os créditos devem ser dado ao verdadeiro criador ou, pelo menos, à fonte de acesso sem que seja alegada uma autoria falsa.

Anonimato: como uma moeda, o anonimato tem duas faces. Pode significar segurança, mas também pode significar cobertura para crimes. O caso mais explicito que consigo pensar sobre quão ruim pode ser o anonimato no mundo virtual é o Cyberbullying. Sem contar os casos de pedofilia, crime organizado e etc que podem ser desenvolvidos e encobertos pelo recurso do anonimato.

Exposição: aqui está o yang do item anterior. O problema da exposição no mundo virtual é o excesso. As pessoas podem perder o controle sobre o que mostram da sua vida e para quem estão mostrando. Novamente uma questão de segurança. Fotos, dados, videos, informações... podem ser um prato cheio nas mãos das pessoas erradas. Principalmente informações, porque elas podem ser destorcidas e espalhadas "viralmente" levando à difamações e intrigas. 


Sugiro que deem uma olhadinha no texto "Olha como sou legalsugerido pela Andrea do Own Mine que também participa do Desafio. Por hora, isso é tudo.